Entrevista com Carminho

Festival de Fado

 

Sobre Carminho

Carminho nasceu no meio das guitarras e das vozes do fado, filha da conceituada fadista Teresa Siqueira. Durante a faculdade, cantava em casas de fado e recebeu várias propostas para gravar, mas decidiu esperar. Licenciou-se em marketing e publicidade e percebeu que cantar exigia uma maturidade e um mundo que ainda não tinha. Durante um ano, viajou pelo globo, participou de missões humanitárias e regressou a Lisboa decidida a entregar-se por inteiro a um percurso artístico.

“Fado”, o seu primeiro disco, de 2009, alcançou a platina e abriu os corações de Portugal à sua voz e as portas do mundo ao seu talento: melhor álbum de 2011 para a revista britânica “Songlines”, performances no Womex 2011, em Copenhague, e na sede parisiense da UNESCO, no âmbito da candidatura do fado a patrimônio mundial.

No mesmo ano, colaborou com Pablo Alborán em “Perdoname” e tornou-se a primeira artista portuguesa a atingir o número 1 do top espanhol. Em 2012, o segundo álbum, “Alma”, estreou no primeiro lugar de vendas em Portugal e alcançou posições de destaque em vários tops internacionais.

Depois de passar pelas principais salas da Europa e do mundo, Carminho cantou no Brasil e realizou o sonho de gravar com Milton Nascimento, Chico Buarque e Nana Caymmi, resultando em uma reedição de “Alma” com três novos temas.

No final de 2014, editou “Canto” e a sua relação com o Brasil ganhou raízes ainda mais profundas. Carminha gravou a primeira parceria de Caetano Veloso com o seu filho mais novo, Tom, a inédita “O Sol, Eu e Tu”. “Canto” inclui também dueto com Marisa Monte e participações especiais de Jaques Morelenbaum, António Serrano, Carlinhos Brown, Javier Limón, Naná Vasconcelos, Dadi Carvalho, Jorge Hélder e Lula Galvão.

Em 2016, na sequência de um convite endereçado pela família de um dos maiores compositores do mundo, gravou “Carminho canta Tom Jobim”, com a última banda que o acompanhou ao vivo nos seus derradeiros dez anos, partilhando temas com Marisa Monte, Chico Buarque e Maria Bethânia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *